fbpx
Avançar para o conteúdo

Como Gerir o Salário de forma Eficaz

Não sabes como gerir o salário para que ele dure o mês inteiro?

Já te aconteceu o teu salário cair na conta e não dares por ele a desaparecer?

Gostavas de aprender a gerir o salário que recebes para conseguires pagar de forma organizada todas as despesas que tens?

Fazes contas de cabeça e rezas um bocadinho para que o teu salário chegue para todos os teus gastos do mês?

Se te identificas com estas situações, o artigo de hoje é para ti!

Reuni um conjunto de estratégias para te ajudar a gerir o salário de forma eficaz, e para acabares de vez com a desorganização financeira na tua vida.

Sugiro que uses apenas uma folha de papel, ou o bloco de notas do teu telefone para ires completando os passos que vou enumerar abaixo.

Vamos deixar a complexidade de lado e vamos focar-nos apenas em descobrir quais são os teus rendimentos e como é que os podes distribuir pelas tuas despesas.

No final do artigo, e se tiveres interesse, deixo-te ferramentas mais complexas que podes usar, combinado?

Já tens tudo pronto? Vamos a isso.

gerir o salário
1º passo – DESCOBRE exatamente quanto ganhas

Sabes exatamente quanto ganhas ou sabes que anda ali entre os € 800,00 ou € 900,00?

Utilizando uma expressão típica Portuguesa: precisas de saber com que linhas te vais coser, verdade?

Por isso, é muito importante que saibas o valor exato do teu salário líquido.

O salário líquido é o valor do teu salário, líquido de impostos. Ou seja, o dinheiro que te entra na conta bancária depois de feitos os devidos descontos para a Segurança Social e IRS.

Uma vez que é com base neste valor que vais distribuir o teu dinheiro pelos diferentes gastos que tens, é muito importante que saibas exatamente que valor é esse.

Considera também outros valores que possas receber mensalmente como subsídios, horas extra, prémios ou bónus, apoios, mesadas, gorjetas, rendas extra, etc.

Nesta parte mais variável do teu rendimento, deves sempre ter em conta o valor mínimo que é certo que vais receber de forma a que não contes com dinheiro que não é certo.

Vamos lá então descobrir e escrever qual o valor mensal dos teus rendimentos?

2º Passo – PAGA as tuas despesas fixas obrigatórias

Consoante a tua realidade, terás mais, ou menos, despesas fixas obrigatórias que tens que garantir que o teu salário consegue suportar.

E o que são as despesas fixas obrigatórias?

São todas as despesas obrigatórias que tens a teu cargo, como por exemplo: a renda/empréstimo da casa e respetivas contas, o combustível ou passe mensal, as compras de supermercado, a creche dos teus filhos, seguros, etc.

São as despesas às quais não podes mesmo fugir e que é fundamental que consigam ser pagas de forma confortável com o teu salário.

Se isso não acontece tens de fazer alguma coisa para mudar a tua situação: ou reduzes essas despesas ou arranjas forma de ganhar mais dinheiro.

Sabes todas as despesas fixas obrigatórias que tens e o respetivo valor? Ou também sabes o valor mais ou menos por alto?

A tarefa neste passo é então a de listares todas as despesas fixas obrigatórias que tens e os respetivos valores. No final, soma todas elas para ficares com a perceção de quanto do teu salário é preciso para as conseguires pagar.

É um passo fundamental se queres gerir o salário de forma mais eficaz, por isso não o ignores.

Auxilia-te dos extratos bancários dos últimos 3 meses, por exemplo, para que não te escape nenhuma despesa.

3 º passo – Separa dinheiro para a tua poupança

Depois de fazeres o exercício anterior, e com base no valor que tiver sobrado do teu salário depois de pagas todas as tuas despesas fixas obrigatórias, define um valor para a tua poupança.

A minha recomendação é que esse valor seja sempre de pelo menos 10% do teu rendimento (aquele que descobriste no 1º passo).

Se ganhares € 800 líquidos, deves tentar poupar € 80,00 todos os meses.

Vê se é possível poupares 10% do teu rendimento e se não for, poupa menos, mas poupa alguma coisa todos os meses para começares a construir o teu Fundo de Emergência.

Poupar pouco, mas de forma consistente vai ajudar-te a estabeleceres o hábito até que ele se torne algo natural na tua vida.

jornada da poupança

Este processo de poupança deve ser simplificado ao máximo e para isso podes (e deves) criar uma transferência automática da tua conta à ordem, para uma conta poupança, através da app ou site do teu banco.

Se definires um valor para poupar todos os meses, e se automatizares a poupança desse valor, estás sem esforço nenhum a garantir a tua segurança e estabilidade no futuro.

Vamos lá: define um valor para poupares mensalmente e passa para o passo seguinte.

4º Passo – Define valores máximos para gastos opcionais

Depois de asseguradas as despesas fixas obrigatórias e a tua poupança, o restante valor do teu salário pode (e deve) ser dividido pelos diferentes gastos variáveis e não essenciais que gostas de ter.

E que gastos são esses? São as coisas que te dão gosto fazer e ter: jantar fora, take-away quando não te apetece cozinhar, o ginásio, as unhas arranjadas, uma subscrição que te acrescente valor, etc.

Com base no valor que sobrou, estabelece limites de gastos para cada uma das categorias diferentes que fazem parte das tuas despesas não essenciais, para que nunca gastes mais do que aquilo que ganhas.

Podes estipular gastar e € 50,00 em refeições fora, € 20,00 em take-away, € 30,00 para o ginásio, € 15,00 para estética, etc.

Podes perceber melhor como definir estes limites neste artigo que eu escrevi sobre a construção de um orçamento mensal.

Uma das bases fundamentais para que faças uma gestão eficaz do teu salário é que consigas fazer face a todas as despesas que tens: fixas obrigatórias, poupança e variáveis e não essenciais.

Isto é importante para que não vivas apenas para pagar contas e para manteres o equilíbrio financeiro em todas as áreas da tua vida.

É importante relembrar que se o teu salário é curto, e se sobra pouco dinheiro depois de pagares as tuas despesas obrigatórias, garantires a tua poupança é fundamental.

Só depois de alguma poupança assegurada é que deves pensar nos gastos que te dão prazer e mantê-los também o mais baixos possível.

Em tempos de maior aperto, e talvez numa fase inicial em que ainda te estás a organizar, o teu salário pode não dar para tudo aquilo que queres fazer, mas lembra-te que é um processo e apenas temporário.

Com organização, e esforçando-te para aumentares o teu rendimento podes mudar a tua vida financeira para melhor.

Lembra-te que isso só depende de ti e das escolhas que fazes.

5º passo – Assegura que vives dentro das tuas possibilidades

Se cumprires os passos anteriores, vais conseguir viver dentro das tuas possibilidades.

Ou seja, o teu salário vai dar para pagar as tuas despesas e ainda vais conseguir fazer alguma poupança.

Esforça-te ao máximo para não assumires despesas que não podes pagar.

Foge dos pagamentos a prestações porque eles só vão pesar mais o teu orçamento e deixar-te com pouca margem de manobra.

Se queres comprar alguma coisa, poupa primeiro e compra depois na totalidade quando tiveres o dinheiro todo.

Gerires o teu salário de forma eficaz, é garantires que tens sempre um estilo de vida que podes pagar.

6º passo – Mantém as despesas fixas baixas

A renda/empréstimo da casa e respetivas contas, o combustível e o supermercado, entre outras, são despesas que não podes mesmo evitar.

Por isso, deves esforçar-te ao máximo para que elas sejam o mais baixas possível.

Há algumas coisas que podes fazer para reduzires essas despesas, como por exemplo, analisar os teus contratos para perceberes se estás a pagar um preço justo ou se consegues fornecedores mais baratos, otimizar as tuas rotinas para que elas sejam económicas ou aprender a fazer compras no supermercado de forma mais eficaz e económica.

Para te ajudar com isso, deixo-te aqui alguns artigos que escrevi sobre o tema:

Lembra-te, gerir o salário de forma eficaz depende muito das decisões que tomas no teu dia-a-dia que vão ter um impacto na tua carteira.

7º Passo – Controla os teus gastos

Registar e controlar os gastos é uma das melhores práticas das finanças pessoais.

Pensa comigo: se não o fizeres como é que vais saber se estás a cumprir os orçamentos que definiste e onde é que andas a gastar o teu dinheiro?

Se queres gerir o salário de forma mais eficaz tens de quebrar com padrões antigos que não estavam a funcionar e fazeres as coisas de maneira diferente.

Registar e controlar os gastos é uma excelente forma de manteres as tuas finanças pessoais controladas e de ajustares os teus comportamentos ao longo do mês.

Uma estratégia que uso nas minhas próprias finanças e que dá bastante resultado é registar os meus gastos uma vez por semana.

Define um dia que te dê jeito, e dedica alguns minutos a registar os teus gastos da semana com os diferentes meios de pagamento que utilizas.

Deixo-te aqui a sugestão de algumas aplicações que podes descarregar para o teu telefone para fazeres o registo das tuas despesas, ou se preferires, um ficheiro excel criado por mim que, para no mesmo ficheiro te permite fazer um orçamento e registar as despesas.

dinheiro

São estes os 7 passos que tenho para partilhar contigo, para conseguires gerir o salário que recebes de forma mais eficaz.

Acredito que se te esforçares para colocares estas dicas em prática, vais conseguir organizar melhor o teu dinheiro e viver uma vida mais confortável.

Se mesmo assim te restarem dúvidas, marca uma sessão individual comigo para em conjunto delinearmos estratégias eficazes adaptadas à tua realidade.

Obrigada por estares desse lado.

Cat